| DICA!: Comece a acessar como: QueroScat.com


sexta-feira, 25 de maio de 2018

Como convencer alguém a cagar em cima de você.

Por: Kara Crabb

O sexo é uma coisa que me fascina. Às vezes pode ser perigoso para a nossa saúde e segurança, outras vezes é absolutamente incrível. Mas também há alturas em que simplesmente se envolve merda. Calma, somos todos adultos aqui. Consigo entender que, hipoteticamente falando, alguém fique excitado se tiver recebendo uma cascata fecal diretamente do cu de alguém. Consigo entender que depois essas fezes façam uma lambança nos seus lábios, enquanto ela se agacha à sua frente, em delírio escatológico.

Dá para imaginar, não dá? Claro que a maioria das pessoas não aceita esse fetiche. É o caso de um jovem adulto que me enviou um e-mail outro dia. Dizia ele: "Por favor, me ajuda a convencer a minha namorada a cagar na minha boca. Talvez você seja capaz de ignorar os tabus. Os alemães conseguem. Os japoneses também. Será mesmo uma cena tão horrível de se pedir a outra pessoa? Será que tenho um problema mental sério? Como é que você reagiria se fosse contigo? Não quero te assustar, só gostaria de saber a sua opinião sobre o assunto."

E eu respondo: não deixe que as invenções culturais pré-estabelecidas te impeçam
de realizar as suas fantasias (ainda que a mais diferente).

COMECE COM OUTROS FLUIDOS CORPORAIS

O esperma é normal. A secreção vaginal é normal. A saliva também.
Mas, por alguma razão, cocô é algo absurdo para a maioria. Por exemplo.
Isso tudo pra te dizer que você precisa começar devagar. A cena do cocô saindo do corpo é que é esquisita na verdade. É feio, é nojento e pode causar doenças. Se gasta muito tempo e dinheiro para tentar ignorar que a merda existe em quantidades assustadoras. Utilize isso em seu benefício. Trata a coisa como o glorioso espetáculo que ela é. Como? Transforme as excreções corporais mais aceitáveis num espetáculo igualmente formidável. Brinque com a saliva de sua namorada ou namorado, por exemplo. Deleite-se com a sua lubrificação. Sugira que façam sexo enquanto ela estiver menstruada. Compare o orgasmo dele com a vontade de mijar. Encoraja-a a urinar. Você precisa ir aos poucos. Devagar e sempre.

O PODER É TUDO
Há sempre uma dinâmica de poder em todas as relações sexuais, ainda que implícita. Embora haja pessoas que curtam assumir-se como dominante ou submisso, a maior parte delas vive a vida sem se preocupar com essas classificações. Se você curte a ideia de ter alguém cagando em cima de você, deve considerar a relação de poderes que o ato envolve. Primeiro: por que é que você quer que te façam isso? Está triste, curioso, se sente estimulado pela internet? Será que se odeia secretamente? Será que se sente culpado em relação a algum acontecimento passado? Será que simplesmente idolatra o seu parceiro ou parceira? Seja qual for o motivo, me parece razoável dizer que você tem tendências submissas, por isso a outra pessoa (a que vai cagar em cima de você) tem de se sentir confortável na posição de líder.

CONEXÃO
Tenta imitar todos os efeitos fisiológicos de cagar antes da outra pessoa fazer em cima de você, fará tudo correr bem. Estar hidratado também é importante porque ajuda os intestinos e estimula a circulação. Também não é nada mal estimular as zonas erógenas da tua parceira ou parceiro. Faça uma massagem, ligue o aquecimento da casa, crie calor físico entre os corpos. Quanto mais conectados no ato em si, melhor.

NÃO SEJA UM(A) IDIOTA
Esta é a parte mais difícil, claro. É bom que você saiba que você pode procurar ajuda médica para acabar com esse seu fetiche diferente. Mas ei! calma. Se você já o fez e curtiu (e não está interessado em mudar essa vontade da sua vida), quem sou eu pra te dizer seja lá o que for — a não ser isso: não seja uma pessoa escrota. Ou seja, não insista no seu projeto escatológico sem pensar na pessoa que pretende envolver no ato. Fale sobre o assunto de forma equilibrada, discuta o tema a partir de perspectivas diferentes. 
Vou arriscar dizer que é possível, sim. Coragem, e os sonhos se tornam realidade.

Retirado do site: vice.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário