img-responsiva

DICA!: Novidades do blog pelo twitter: @ScatGustavo

segunda-feira, 24 de agosto de 2020

Enviado: A manhã marrom de um cara submisso.


 Enviado pelo Leitor Texto enviado por um leitor do blog.
por Slave da Imperatriz, 29 anos, bissexual, do Rio de Janeiro. 

Mal começava o dia, ainda na madrugada de sábado, e a Dona já acorda sádica, e a certeza que eu tinha, hoje será o dia! A promessa Dela seria realizada na data de hoje, um fetiche em comum nosso e incomum ao olhos de muitos, o fetiche do scat (cocô).

Ali eu, como seu escravo devoto, cegamente obediente às suas ordens, ouço minha Deusa Gótica ordenar: - vá para banheira, hoje vou te usar vaso! Nessa hora meu coração dispara, minha rola se contorce dentro do cinto de castidade, tudo em mim treme de tesão, tudo. Acredito que meu maior fetiche é a humilhação e degradação, adoro me sentir humilhado e sujo, amo as coisas sujas, chulé, xixi, scat, cuspe... Acho que a castidade tem aumentado esse meu lado e me deixando ser quem sou. 

Devo isso a minha Soberana, da qual não sou digno de lamber as solas das botas Dela. Então ali estou, deitado na banheira, e sem muita cerimônia, a Dona chega e me banha com sua urina, a primeira da manhã, quase 1 litro de chuva dourada no meu corpo, me lavando e me purificando como se fosse um ritual. Aproveito para beber aquele néctar de uma Deusa, e esquentar meu corpo. Passa um certo tempo e ela apaga a luz do banheiro, e eu pensei, chegou a hora, é agora! Uma atmosfera de euforia e apreensão se cria, minha mente de escravo sujo toma conta de mim... Então escuto o barulho do intestino trabalhando, era seu caviar andando dentro Dela, vindo na direção do meu pescoço, e eu ansioso por aquilo... vejo aquela bunda gigante e deliciosa, aquele ânus se abrindo e fechando, a força dele se contraindo, fazia meu pau babar de uma forma como nunca antes... Até ouço o barulho final e aquele pedaço de caviar ainda fresco, quente com uma textura macia, bem feito... bonito, repousando no meu pescoço... e eu pensei, vou gozar aqui no cinto... Mas como a palavra gozar foi extinta da minha mente, arrancada a força pela Dona, eu a vejo se levantar e com suas luvas cirúrgicas começa espalhar seu caviar sobre meu peito, depois pega o pedaço e coloca na minha boca, sinto aquele pedaço de caviar quente e com seu cheiro delicioso, sobre meus lábios... 

No meu momento de transe, ela ordena, vá tomar banho e se limpe, não quero sentir seu cheiro de merda perto de mim.

FOTOS REAIS DELE E SUA DONA:



Contato do autor - Twitter: @slaveinchastit1


 Enviado pelo Leitor Clique aqui para ter acesso a todo conteúdo produzido por leitores.
Mande o seu texto, experiências, fotos e/ou vídeos para: tavolinder@hotmail.com
Você pode aparecer por aqui. Para validar o seu material, importante se identificar com:
Nome/APELIDO FICTÍCIO, Idade, Orientação Sexual e Localização. Se desejar divulgar
algum contato, especifique-o no e-mail com a frase "Quero divulgar o meu contato".

Nenhum comentário:

Postar um comentário