img-responsiva

DICA!: Novidades do blog pelo twitter: @ScatGustavo

sábado, 8 de maio de 2021

Conto: Scat com a travesti, dos pés a cabeça.

Retirado do site: casadoscontos.com
Escrito por: Ylsiel

Olá pessoal, tô aqui pra contar mais um experiência escatológica que tive. Sou amante de sexo sujo, chuva marrom, chuva dourada, spit e qualquer outra coisa que seja produzido pelo corpo de uma mulher, pra mim não importa se e bonita, feia, gorda ou magra, adoro a merda bem fedida de uma moça. A tempos não praticava esse fetiche, também pelo fato de faltar adeptos do sexo feminino, por que homens que curte são muitos.

Um certo dia estava navegando num blog chamado ‘Quero Scat’ um blog muito bom pra quem curte o tema com atualizações toda semana, em uma dessas postagens no site havia um comentário que chamou minha atenção por ser na mesma cidade que a minha. No comentário estava o contato da pessoa, mas não dava pra saber se era homem ou mulher, peguei seu e-mail, mandei msg e fui correspondido. Leticia era o nome dela, mas não era mulher e sim uma travesti, já tive uma experiência com travesti e não achei nada demais, foi mesmo só por curiosidade, gostei muito de chupar um pau e tudo mais, sou muito mente aberta, mais ainda preferia mulheres.

Conversamos muito, e tínhamos muitas coisa em comum, assim como eu ela não fornecia, só recebia o scat, achei uma pena pois já estava louco com ela, tínhamos trocado nudes e ela era, realmente maravilhosa, com longos cabelos pretos, magra com uma bundinha média redondinha e uns peitos grandes siliconados, e assim como eu era bem porquinha, adorava uma nojeira, e já tinha feito scat com uns 5 caras, me perguntou então se eu não estava disposto a cagar pra ela, eu sei o quanto é difícil achar parceiros pra essa prática, mesmo nunca ter sido fornecedor concordei e fazer isso por ela então marcamos uma semana depois em sua casa em um sábado a tarde, até lá nos preparamos criamos algumas regra pra nós, ficaríamos uma semana sem banho, sem lavar nossas partes íntimas nós masturbar bastante, e nem trocar a calcinha nem a cueca. Chegando no fim de semana, eu já a dois dias sem cagar, ela dizia que seu cu estava bem azedo que estava louca pra me ver cheirando.

O dia chegou sábado a tarde fui até o endereço, chegado até lá, um barraco modesto mas bem limpinho, ela me recebeu de baby Doll me deu um beijo quente na boca e me conduziu até seu quarto que já estava todo preparado, o colchão da cama estava todo planificado, ela então me perguntou se poderíamos começar, eu confirmei, já estava apertado pra cagar, mas antes íamos começar uma deliciosa preliminar, nós nos despimos ela já com o pau bem duro não muito grande 15cm mas bem bonito, já foi ficando de quatro na cama e abrindo suas nádegas mostrando seu cuzinho rosa todo depilado e apertadinho, não precisei chegar perto pra sentir aquele cheiro de cu a dias sem lavar, comecei a mordiscar sua bundinha branca deliciosa, não demorou muito pra eu cair de boca naquele cuzinho fedido e delicioso, o gosto adocicado e o cheiro maravilhoso fez meu pau ficar a mil, ela ainda de quatro e eu cheirando e lambendo aquele cu revezando entre suas bolas, ela então propôs um 69 de ladinho dizendo que estava doida pra chupar meu pau, e assim fizemos, antes de abocanha-lo ela começou a cheirar a cabecinha que estava completamente branco de porra seca e o dela não estava diferente, não resisti e comecei a chupar aquele pau duro e delicioso, e ela ainda cheirava o meu, nos chupamos por um bom tempo até que ela ela saiu da posição que estávamos e disse:

- Me deixa chupar seu cu também amor o cheiro dele está delicioso.

Eu logo me virei de barriga pra cima e segurei minhas pernas e ela foi logo caindo de língua na entrada do meu cu, eu gemi gostoso com aquele beijo grego que ela fazia, enfiava a língua bem lá dentro enquanto me punhetava, eu já não aguentando mais pedi pra ela parar pois não ia aguentar muito tempo já estava prestes a gozar, disse a ela então:

- Já quer meu presente bebê já estou louco pra ter dar.

- Mau posso esperar o prato principal mas primeiro mija em mim, quero tomar mijada na cara.

- A meu bem agora não dá, tê muito apertado e se eu mijar vou acabar cagando e meu pau ainda tá bem duro.

- Então tá bom pode vir caga na minha boca seu gostoso, já estou doida pra senti o gosto dessa sua merda fedida.

Ela se deitou na cama com a cabeça apoiada na cabeceira, me virei de costas empinei minha bunda na direção a seu rosto me agachei um pouco, olhei para trás e ela já esperava a bosta com a boca aberta, fiz um pouco de força e vários peidos saíram.

- Nossa que fedor meu amor que delícia, faz essa boquinha de privada faz.

Logo em seguida saiu, um troço grande, grosso é pastoso marrom claro saiu do meu cu, que alívio que senti, logo seguiu mais alguns peidos, fiz mais força e mais dois pedaços médios saíram do meu cu, e caíram nos seus peitos, já tinha terminado, me virei e olhei pra ela, sem perder tempo ela já estava mastigando um enorme pedaço, os dois que tinha feito por último estavam caído nós seu peitos, e um pedaço maior em sua mão, ela mastigava sem fazer nenhuma cara de nojo, engoliu com muita facilidade, cuspi então na sua cara, escarrei e cuspi de novo ela, já com a boca aberta toda borrada de bosta esperava meu catarro, fui então em sua direção e a beijei, sua boca suja com o gosto da minha própria merda, foi um beijo maravilhoso, e bem demorado, fui descendo até sua barriga e abocanhei seu pau, chupei gostoso fazia garganta profunda  e enquanto isso ela pegava mais um pedaço de bosta e colocava na boca, gemia e mastigava ao mesmo tempo, se contorcia com meu boquete, sem tirar seu pau da boca abri um pouco sua pernas passei meu dedo em volta do seu cu e enfim o dedo lá dentro, ela gemeu e se contorceu ainda mais, percebi que seu cuzinho também estava bem cheio, fazia vai em vem frenéticos em seu cu, ela com a boca cheia de bosta e uma baba marrom pelos cantos, quando tirei meu dedo estava todo sujo com sua merda que já estava doido pra provar, olhei pra ela, mostrei meus dedos sujos depois de ter tirado do seu cu, ela me olhou e sorriu, mais que de pressa fui colocando ele na boca, raspando com os dentes cada pedacinho daquela iguaria, depois de ter limpado completamente meus dedos fui novamente em sua direção e a beijei, cai em cima dela e nos agarramos, a merda em seus peitos se amassaram nos borrando, ela então me empurra abaixa minha cabeça e cospe em minha boca, uma mistura de cuspi e merda mole, eu engulo tudo, ela me dá um sorriso malicioso e volta a me beijar, sentíamos o amargo de nossas bocas, estávamos ali abraçados completamente lambuzados de merda, o cheiro do quarto estava insuportável, ela então me pede pra deitar de costa.

- Deita de costa amor, deixa eu te fazer uma massagem.

Me deitei, ela se agachou e cagou gostoso nas minhas costas, peidando bastante, e uma merda bem fina e mole saiu do seu cu, ela então começa a espalhar em meu corpo, nas minhas costas e na bunda, passa também em seu rosto e em seu pau, ela abre então minhas nádegas e começa a lamber meu cu peludo, aí que delícia, lambe bastante e então começa uma maravilhosa massagem nas costas, eu relaxo, fico apenas sentindo aquela leve mão me tocar, e sentir o cheiro daquela bosta que fedia ainda mais que a minha, depois de ter terminado, pego suas mãos e começo a lamber dedo por dedo, que delícia era a merda daquela travesti, peço a ela pra lamber seu cuzinho, ela fica de quatro e eu começo a lamber seu buraco agora já todo borrado, pego um pouco da merda que estava no plástico do colchão e começo a lambuzar sua bunda, estávamos completamente sujos do pé a cabeça de merda, estava delicioso uma sensação indescritível, com o tesão a mil, o fedo é o gosto em nossas bocas, fico bastante tempo chupando sua bunda e enquanto chupava ela ainda comia e lambia a bosta que estava no colchão todo sujo, ela então pede pra eu comer sua bunda suja, eu já não aguentando mais enfio a cabeça no seu cuzinho, entrou fácil a merda lubrificou tanto meu pau quanto seu cu, começo então a bombar, ela gemia, sua boca ainda cheia de bosta, eu soco gostoso e ela aguenta tudo, ela no frenesi do momento pega um punhado de merda e amassa não mão, em seguida passa tudo no rosto, parando o dedo em sua boca chupando seus dedos, seu rosto ficou irreconhecível, só dava pra ver seus olhos, tiro meu pau do seu cu, e mais merda desce da sua bunda como cachoeira, eu mais que depressa me aproximo dele e pego o máximo que consigo com a boca, volto a enfiar meu pau, e começo a come-la novamente enquanto mastigo aquela iguaria fresquinha que acaba de sair daquela bunda maravilhosa, meu saco batendo no dela e depois de mais algumas estocadas eu gozo no seu cu, depois de um alto grito e exausto desmoronei em cima dela, gozei gostoso, foi muito intenso, ela sorri pra mim e começa a se masturbar, agora é sua vez vindo com o pau lambuzado em minha direção colocando ele todinho na minha boca, eu ali num boquete sentindo gosto de pau e merda, não precisei chupar muito e ela já começa a se contorcer e sem anunciar goza dentro da minha boca, eu engulo tudo, deixando seu pau completamente limpo de bosta e porra, ela caiu ao meu lado na cama, ficamos um bom tempo abraçados de conchinha exaustos depois de uma foda tão intensa, ainda completamente lambrecados de merda dormirmos sem querer.

Chegando a madrugada, acordamos, com o fedor e merda seca grudado em nossos corpos, acordei apertado com muita vontade de mijar, a acordei falando isso pra ela, perguntei se ela queria provar do meu mijo, ela que ainda estava sonolenta mais que depressa se despertou ainda com o rosto sujo de bosta mas agora já seca, se ajoelhou na cama segurou meu pau e eu comecei a mijar, ela de boca aberta recebendo meu jato amarelo no rosto ela engolia o que podia, mirava em seus peitos siliconados, mas meu foco era sua boca, onde ela engolia com vontade, depois de terminado ela disse:

- Agora  minha vez, também tô com vontade de mijar em você´.

Trocamos de posição, agora eu agachado e ela em pé, fui surpreendido com aquele jato de mijo no rosto, abri a boca e quando cheia fiz questão de engolir aquele líquido delicioso, engoli tudo, enquanto ainda mijava, coloquei a cabeça do seu pau na boca e bebia de golada cada gota daquele mel, estava cheio de tanto beber mijo, enfim acabou, ela escarrou e cuspiu na minha boca, foi delicioso, nós dois já estávamos de pau duro novamente, começamos a nós beijar, em seguida já estávamos batendo punheta um pro outro naquele cenário onde o fedor de bosta e a sujeira estava, gozamos juntos na mão um do outro, limpava minha mão suja de sua porra com a boca saboreando todo aquele néctar, ela fazia o mesmo, nos beijamos enquanto fazíamos carícias, recuperamos nossas energia e chegamos a conclusão em que devíamos arrumar aquela bagunça, tiramos o plástico do colchão que estava completamente sujo de merda, tomamos um banho gostoso e ficamos limpos novamente, mas o quarto ainda estava com aquele cheiro impregnado, fomos dormir de novo, agora limpinhos e o quarto também. Foi uma foda maravilhosa, com muitas fezes e sujeira e eu adorei cada momento.

6 comentários:

  1. Adorei a história, uma delícia! No Grinder tem muitas trans que gostam. Eu sou H e estou lá tbm ☺️

    ResponderExcluir
  2. Ai que delicia amo uma bosta bem fedida amo comer também

    ResponderExcluir
  3. Sou mulher apaixonada por sexo sujo, mas nunca encontrei alguém que topasse algo tão intenso. Sou mente aberta para todos os fetiches e curto de tudo homem, mulher e trans...
    O conto e perfeito e espero um dia realizar algo parecido!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pollyscat, sou apaixonado também pelo tema, adoraria conhecer uma mulher que adorasse tb!
      Se quiser a gente pode conversar pelo skype: jonas.silva171@outlook.com

      Excluir
    2. Adotaria te conhecer, fui eu quem escreveu esse conto na site casa dos contos eróticos, que bom que gostou essa história e totalmente verídica

      Excluir
    3. Olá sou super mente aberta. Me chama no Twiter @ScatAmante

      Excluir