img-responsiva

DICA!: Novidades do blog pelo twitter: @ScatGustavo

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2022

Relato: Boca recheada de bosta e o pote nojento.


por Gustavo Scat.

Era madrugada, ele estava louco pra fazer.
Enquanto conversávamos por mensagens, Leandro queria que eu cagasse na privada e deixasse ali, para que no dia seguinte ele viesse em casa e provasse.
Eu falei pra ele que iria dissolver a bosta e que poderia cagar em um pote... ele curtiu a ideia, queria que quando chegasse eu passasse o dedo na boca dele com a bosta do dia anterior... que delicia.

- Tô torcendo pra vc cagar ainda hoje...

Disse Leandro, querendo ter bosta fresca e guardada pra saciar a fome de merda que ele estava sentindo. Mas não rolou. Eu não consegui cagar acho que por medo de não ter mais no dia seguinte... Então segurei mesmo.

Amanhecendo ele me mandou uma mensagem me acordando. 11:20h da manhã como combinado, era o horário que ele saia da faculdade e viria direto pra cá.
Então fui até o bar da esquina e comprei algo pra encher mais a minha barriga. Quando voltei eu dei um peido e saiu um pouco de bosta... agora eu já sabia a cor e o cheiro do cocô que ele iria provar, já imaginando o gostinho...

Leandro chegou mais ou menos umas 12:15h

Confesso que estava um pouco nervoso, não sabia direito se tinha tanta bosta no meu cu como queríamos.

Baixinho, de mochila nas costas e cabelo com um corte da moda, Leandro chegou em casa. 
Logo nos beijamos deitados na cama, pelados já punhetando o pau um do outro.
Eu me dedava e tirava um pouco de merda e ele chupava meu dedo. Aquela boquinha seria minha privada realmente.
Trocamos um pouco de saliva na boca um do outro e ele chupava meu pau e me beijava de novo.


Já segurando um tesão acumulado, fomos até o box do banheiro, Leandro sentou e eu mirei o cu naquela boca fazendo força e cagando todo cocô que eu tinha na boca dele. Era uma bosta doce, pastosa e gostosa, da cor de pasta de amendoim. Encheu sua boca. Foi aí que eu dei o meu primeiro beijo com merda da minha vida. A boca estava cheia, melava os lábios, eu passava na bochecha dele, no meu pau e no dele, no peito... Leandro passava a merda pra minha boca e eu passava de volta pra ele, aquela boca estava bem recheada. E nessa hora do tesão as ideias surgem... Dedei o cu dele com a minha merda, enfiando o dedo sujo... era a sensação de ter um pouco de mim lá dentro também. 
Meu bigode estava com a minha bosta, era meu cheiro naquela boca toda nojenta recheada com meu cocô e seu corpo todo fedia meu cheiro. Eu pedia pra ele espremer a bosta com cuspe, mastigar bem, como eu via nos vídeos mais nojentos e depravados do MFX. Depois dele me dedar tentando conseguir mais alguma coisa, gozamos melados de tanta porqueira.
Depois do tesão, tive a inevitável vontade de mijar pós gozo. Ele já estava se secando fora do banheiro e me viu mijar no ralo.

- Tá mijando?
- Sim haha

Desperdicei.

A gente foi pra cama e ele queria mais nojeira. Ele me pediu isso.
Deitei Leandro com a cabeça no meu colo e comecei a acumular cuspe naquela boca fedida de bosta. Ele mostrava pra eu ver, espremia como fez com o meu cocô. Aos poucos aquela boca estava cheia de espuminha branca, era meu cuspe com o dele. 
Aí então peguei um potinho que estava guardado e depois de acumularmos um pouco de cuspe na minha boca e na dele cuspimos lá dentro.
Hora de dedar aquele cuzinho liso, que aos poucos consegui sentir um pedacinho de merda. Ele não curtia a merda dele, ele curtia a dos outros... a minha, era a minha privada. Então eu sentia aquele pedaço sem poder fazer muita coisa, só imaginando como seria se ele também cagasse em mim. 
Pra tentar melar o pau, joguei aquele cuspe acumulado que estava no pote pra usar de lubrificante e meti no cu, ele piscava e dilatava pra tentar melar até gozar pela segunda vez em uma das tentativas.


Leandro deitou sobre meu braço esquerdo, não passou muito tempo e eu ainda estava no tesão fazendo ele se animar e ficar de pau duro de novo. Ainda deitado, sentei com o cu na cara dele e tentava peidar sem sucesso, ainda que ele metia a língua pra sentir meu gosto mais uma vez. Coloquei a boca no seu pau, como se tivéssemos fazendo um 69 e ele me pediu pra parar pra não gozar. Aí ficamos quietinhos um pouco enquanto conversávamos sobre mais vontades que curtíamos.

- Curto cueca usada também...
ele me disse.

Fui pegar um cueca minha e dei pra ele cheirar um pouco.

- Gosto de enema...
Respondi.

Disse que fazia sozinho, gostava de fazer a chuca não pra limpar mas pra sentir meu cu ficando cheio de água quentinha e soltando tudo. 

- Vamos fazer? 
Leandro me interrompe com cara de safado.

- Agora?...


Lá estávamos nós dentro do box mais uma vez, querendo aproveitar de tudo que podíamos naquela tarde. Consegui fazer pela primeira vez algo que eu sempre fiz sozinho: encher meu cu de água imaginando alguém chupando meu pau ao mesmo tempo... Agora não era mais imaginação. 
Aos poucos enchia e dilatava meu rabo enquanto ele me pagava um boquete. Sorte: Quando encaixei meu cu na boca dele, pedaços de bosta saíram. Peguei aquele potinho do cuspe acumulado, coloquei o maior pedaço de merda que saiu com água do meu cu e fui repetindo isso até que saísse mais. Dei um banho naquela cara de água morna que saiu das minhas entranhas até que mais bosta de lá do fundo sujava a sua boca. Estava mais nojenta, e era isso que ele e eu queríamos... nojeira mesmo!

- Não me suja no corpo, coloca na minha boca.

Ele mastigava o cocô nojento e eu metia o dedo na boca dele pra sentir a textura daquela meleca marrom quente e nojenta na língua e em seus lábios. O gosto era gostoso mesmo, dava selinhos e lambia aqueles lábios agora mais devagar, deixando ele aproveitar mais. Cuspia pra ficar uma misturinha gostosa e pra finalizar a putaria nojenta de novo, gozei naquela boca cheia.

Depois que ele gozou junto comigo, cuspiu dentro do potinho essa mistura da minha merda, meu cuspe e o dele, e minha porra.

Enquanto a gente se limpava, Leandro começou a mijar no ralo do banheiro... deu tempo de pegar o potinho mais uma vez e coletar um pouco daquele mijo quente.


- Só faltou o seu mijo...
Leandro pensava alto olhando pro teto. Já estávamos limpos e deitados na cama mais uma vez.

- Ainda quero...

Cara, que tesão ver alguém que depois de ter gozado três vezes, ainda queria completar toda a nossa  "checklist escatológica" hahahaha

Aí veio a parte difícil. Tentar mijar no tesão, ainda mais depois de ter desperdiçado momentos antes de ficar mó tempão tentando. E fiquei mesmo, viu? 

- Tá com muita vontade e paciência?
Perguntei.

- Muita!

Peguei uma garrafa de água gelada e tomei o máximo de goles que podia... e enfim consegui.
Lista de putaria porca completa. Comecei a mijar na barriga dele enquanto me esperava no box quietinho sentado de frente pra mim, que logo ergueu a cabeça de boca aberta pra receber o líquido que saia e que ele tanto queria. O cheirão de mijo começou a subir... mano, que tesão!! O cheiro de mijo na pele é gostoso demais, e quanto mais eu batia punheta pra boca cheia dele, mais o cheiro subia. Ele fazia gargarejo e passava o mijo pra minha boca. Tinha bastante, gosto forte, estava bem melado por causa do cuspe dele também.  

Ainda com a boca escorrendo xixi, Leandro pagou um boquete e me fez esporrar.

- Cospe no pote. 
Eu falei.

E cuspiu minha porra com meu mijo misturados.
Pronto, finalizamos a nossa misturinha dentro do potinho - a mistura mais nojento do mundo. 
Mano, o cheiro daquilo... hehehe


Ele gozou quatro vezes naquela tarde, eu gozei três.

Terminamos umas 15h

Ele foi embora e eu deitei olhando pro teto. Soltava fogos na minha cabeça...
- Caralho, é isso... eu sou um pig, amo nojeiras, amo minha bosta e como é gostoso fazer isso com alguém, porra!

Pensava, realizado.


Antes de sair ele me ofereceu uma bala de menta. Não aceitei de propósito.
A primeira coisa que eu precisava fazer depois de tudo isso era relatar pra nunca mais esquecer os detalhes. Foi a primeira transa mais nojenta que eu já tive até então, e estou escrevendo esse texto sentindo o leve gosto do meu mijo e bosta. Tesão da porra. vou bater uma. kkk

Ah! o pote? 

Bom, acabei de tirar essa foto de como ficou.

Nojento pra caralho hehehe


Nesse pote aí tem: minha bosta mastigada por ele, com minha porra, meu mijo, nosso cuspe acumulado e o mijo dele. Como tá fedendo isso, porra...

Pronto! agora gozei quatro vezes também. 

Um comentário:

  1. Meu sonho
    Caralho
    Comecei a usar chia pra que o gosto da merda fique mais leve!
    Ótimo pra quem como eu está começando

    ResponderExcluir